Notice: Undefined index: et_fb in /home/sites/public_html/wp-content/themes/simplicity-serif/common-functions-new.php on line 14

mantra hare krishna historiapor Akrura Bogéa

Kangal o mendigo, estava absorto ouvindo um grupo de devotos, cantando mantras, em homenagem ao grande Krishna:

-Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna, Krishna, Hare, Hare. Hare Rama, Hare Rama, Rama, Rama, Hare, Hare… cantavam e dançavam graciosamente às margens do rio Ganges, tocando alguns instrumentos de percussão e invocando a proteção do grande Avatar.

Kangal deu uma repassada nas lembranças de sua vida de necessidades, enquanto ouvia os devotos de Krishna. A fome começa a incomodar e ele sai cantarolando o mantra, em busca de alimento. A todos que ele pedia lhe negavam um prato de comida, as pessoas o olhavam com repulsa, como se a pobreza dele fosse uma doença contagiosa. Já cansado de caminhar e morto de fome, Kangal sentou-se debaixo de uma enorme árvore, começou a recitar o mantra que ouvira os devotos do Lord Krishna cantar…

Hare Krishna, Hare Krishna…cantava baixinho, já que suas forças lhe escapuliam, de tanta fome.

Yogod, um garoto de 13 anos, vinha da escola, reparou naquele homem que cantava um mantra muito bonito… se deteve ali contemplando o mendigo, naquele cenário que produzia uma atmosfera de paz, harmonia e felicidade para o garoto. O mendigo ao perceber a presença de Yogod, fingiu estar em meditação profunda. Pensou consigo… quem sabe o garoto não lhe traria um prato de comida, ao lhe confundir com um yogue ou um buscador de Deus… Yogod o garoto, na sua inocência, corre até a sua casa, chega esbaforido e pede à sua mãe um prato de comida, para levar ao santo que meditava sob uma grande Figueira. Kangal o mendigo, acolheu o prato de comida que o garoto lhe trouxera, comeu silenciosamente, como os santos sempre fazem, devolveu as vasilhas sujas e vazias a Yogod e voltou a fingir que meditava.

No dia seguinte, O garoto chega com um prato de comida suculenta, com muito cuidado para não perturbar o santo, coloca o alimento aos pés de Kangal, que fica muito agradecido, entrando em contato com a comida pelo olfato, e continua fingindo ser um yogue silencioso, em busca da sua realização. A partir daquele dia Yogod, coloca na sua rotina diária; Chegar da escola esbaforido, apressar sua mãe para fazer o prato de comida do seu mestre e ir correndo servi-lo. Sentava-se aos pés do mendigo de mãos postas e aguardava silenciosamente este fazer sua refeição, o mendigo por sua vez, se acomodou nesta situação, já que o seu almoço diário, estava garantido. Yogod jamais podería desconfiar, que o mendigo não poderia ser seu mestre e nem mestre de ninguém.

Passados alguns dias, o garoto chega com o almoço do seu guru, como de costume, no fim da refeição, Kangal o mendigo, lhe dirige a palavra pela primeira vez e diz:

-A partir de amanhã, você está liberado de me trazer o prato de comida.

-O quê? Não acredita Yogod, no que acabara de ouvir.

-É isso mesmo que você ouviu. Confirma Kangal, amanhã, não estarei mais aqui, hoje à tarde partirei, já que cumpri a minha missão nessa cidade, preciso levar as minhas bênçãos a outras cidades necessitadas.

-Eu irei com você?! -Interrompe Yogod, quase que suplicando.

-Não, Você não pode. Você tem que estudar, você tem uma família que sentirá a sua falta.

-Que me importa mestre, a escola, a família, diante do meu amor, entrega e devoção ao meu guru. Você é o meu guru não é? Quer saber Yogod. O mendigo se vê bem encrencado diante daquela situação, jamais imaginou que pudesse ter um discípulo tão puro, amoroso e devotado.

-Não. Você fica. Diz o mendigo entre enfático e desesperado.

-Mas Mestre, tenho vindo aqui todos os dias, tenho lhe servido com devoção, tenho me esforçado para aprender as suas lições silenciosas… como vou viver sem a sua presença… chora o garoto desamparado pelo seu falso mestre.

-Pare de chorar! Grita o mendigo firme… vou lhe dar um mantra que irá me substituir perfeitamente… tentando consolar Yogod. -Todas as manhãs, às seis horas, entoe esse sagrado mantra, repetidas vezes. Se você seguir estas instruções, num futuro muito próximo, você se iluminará.

-Está bem meu guru querido, eu o farei, estou ouvindo, mas eu ainda preferia partir com você… diz o garoto limpando os olhos com o dorso das mãos.

-O Mantra é o seguinte: “Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare, Hare”…Repita comigo até aprender…

-Já sei mestre, Hare Krishna, Hare Krishna… esse é o Maha mantra dos Hare Krishnas, costumo ouvi-los cantar, só não sabia do poder desse mantra. -Interrompe o garoto Yogod, repetindo o mantra por algumas vezes, demonstrando que estava atento.

-Este é o seu mantra sagrado, agora volte para sua casa e não esqueça de entoar o seu mantra a partir de amanhã… às seis da matina. Complementa o mendigo aliviado. Despediram-se, o garoto pareceu mais tranquilo em relação à partida do falso guru.

Yogod saiu daquele último encontro, cantarolando o seu mantra para jamais esquecê-lo:

-Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna, Krishna, Hare, Hare…A família de Yogod, acostumou-se com a cantoria do mantra madrugada adentro, – Hare Krihna, Hare Krishna… Yogod cantava o mantra em voz alta ou em silêncio o tempo todo que Deus lhe dava, afinal o mestre lhe garantiu, que se assim agisse se libertaria ou se iluminaria.

Três anos se passaram, Kangal o mendigo estava numa cidade distante dali, muito enfermo, os médicos e curandeiros já o haviam desenganado, ele estava com uma doença muito grave. Na sua última consulta, o médico lhe recomendou para despedir-se de seus parentes, mas o mendigo não tinha parentes. Lembrou-se do garoto Yogod, que lhe alimentou por algum tempo, que o respeitou, reverenciou como a um grande yogue. Então, Kangal o mendigo resolve voltar à cidade do garoto para se desculpar, por ter se passado por um yogue, já que a culpa o consumia. Ele sabia muito bem o que ele realmente era, não passava de um mendigo. Preparou um farnel e dirigiu-se para a vila onde conhecera Yogod, disposto a pedir perdão ao jovem. Bem sabia que o perdão é tarefa difícil, tinha que ser forte para encarar Yogod de frente e se desculpar.

Chegando na pequena vila, dirigiu-se para a grande árvore às cinco da manhã, onde há três anos se sentara e fora alimentado pelo bondoso garoto. Kangal chegou muito cedo e pode ver uma fila imensa, que dobrava esquinas, de pessoas que vinham de diversos lugares, com as mais diversas doenças, aguardando atendimento, cegos, aleijados, desvalidos… Kangal entra na fila, sem saber muito bem porque, talvez por curiosidade, a fila vai crescendo atrás dele rapidamente. Resolve então perguntar, para uma anciã à sua frente:

-Que fila enorme é essa? Estão distribuindo remédios, ou o quê? Como funciona?

-Todos aqui nessa fila seremos curados de todas as nossas enfermidades, do corpo físico, psíquico e da alma, pelo jovem santo. -Responde-lhe a idosa complementando, o maior santo que a Índia já conheceu.

Kangal o mendigo, fica animado considerando aquilo tudo um verdadeiro milagre, Ele desenganado com a chance de ser curado pelo maior dos santos… sente uma fraqueza, começa a suar frio, ele desconfia que é pelo cansaço da viagem empreendida, para chegar até ali. Começa a desconfiar, que o jovem santo não dará conta de atender tanta gente… perdido nesses pensamentos, um discípulo do santo, toca seu ombro delicadamente e lhe fala ao pé do ouvido:

-Meu mestre pediu-me para colocar-lhe num lugar mais apropriado dessa imensa fila, ampara o mendigo e o coloca na frente da fila. Todos ficam admirados, já que era dito por todos, que ninguém tinha privilégios com o jovem Santo. Quem será aquele ancião? Era o que todos se perguntavam… Kangal, não entende absolutamente nada do que lhe está acontecendo. Quando a porta da casa simples do grande curador se abre, as seis horas da manhã, Kangal não acredita no que vê, acha que só pode estar tendo o seu último delírio antes de morrer. Já é um rapaz, de uns 16 anos o santo que se apresenta diante dele. Suas feições não mudaram muito, talvez um pouco mais delgado, mas definitivamente aquele era o garoto que lhe tratou equivocadamente como se trata um guru, com amor entrega e devoção. Os olhos do garoto brilhavam mais que antes, seus gestos eram graciosos, suave, amoroso e irradiava uma grande alegria por encontrar Kangal, o seu guru que partira e lhe deixara para tras. O velho mendigo, dobra os joelhos com dificuldade e cai no chão, diante daquele santo verdadeiro, e lhe pede perdão, quase que aos gritos:

-Perdão! Meu Deus! Você se iluminou!

-Não há o que perdoar, você é o responsável pelo meu despertar, pela minha iluminação, não fosse você, o que seria de mim, provavelmente estaria ainda nadando no mar da ignorância, agora sou o sabedor de todas as coisas… Yogod ampara o mendigo com seus discípulos, deitam-no na maca e o mendigo sente uma vibração muito forte e muito pura, que emana das mãos do santo. O santo espalma suas mãos próximas ao corpo de Kangal, ele pode ver um grande fluxo de luz dourada, fluindo das mãos do jovem santo Yogod. Antes de apagar completamente, Kangal ouve o garoto entoando um mantra que lhe era familiar:

– Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare, Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare…

Quando Kangal desperta do transe, está curado completamente.

Quando o discípulo é puro e verdadeiro, ele realiza Deus, ainda que o seu mestre seja falso. -Diz Kangal ao despedir-se do garoto.

-Você é um yogue realizado! Um dia você se dará conta dessa realidade. -Diz yogod com seu sorriso sutil que a tudo ilumina.


Notice: Undefined index: et_fb in /home/sites/public_html/wp-content/themes/simplicity-serif/common-functions-new.php on line 27