2015/OUTUBRO – curso gratuito de meditação com convidada da Nova Zelândia

Palestras de meditação em Niterói e Rio de Janeiro

HaritaConvidamos a todos os leitores para assistirem às palestras de Harita Davies, da Nova Zelândia. Harita medita há 20 anos, sob a orientação do Mestre espiritual Sri Chinmoy.  Maratonista (completou inúmeras maratonas), ultra maratonista (completou no último Abril, a corrida de 10 dias em Nova York), já correu em vários países a Corrida da Paz (peacerun.org). Nadadora (fez a travessia de revezamento do Canal da Mancha), Harita vem usando os esportes, especialmente a corrida, como mais uma ferramenta de concentração e disciplina, somados à sua vida espiritual e trajetória dentro do universo da Meditação.

Seu pensamento: “Nos últimos anos, a conexão entre corrida e espiritualidade se tornou mais considerada. Muitos corredores estão familiarizados com experiências de paz, êxtase e profundidade, apenas para citar alguns nomes, do que são, de fato, experiências espirituais.”

Harita virá ao Brasil (Niterói, Rio e SP), especialmente para falar sobre o tema de que mais gosta: meditação!

Quarta e quinta em Niterói (UFF) e sexta no Rio (Copacabana).

  • Para saber maiores informações sobre as palestras em Niterói, ligue para: 2612-1069; 
  • Para informações sobre a palestra no Rio, ligue para: 969115415 ou 995691260.

As palestras são sempre gratuitas!

A meditação diária na minha vida

boypor Apara Carvalho

Insatisfeita com como andava minha vida, comecei um processo de busca por alguma coisa que fosse capaz de me satisfazer. Após algum tempo de busca, tendo passado por uma série de experiências frustrantes, me deparei com um cartaz convidando para um curso de meditação/yoga gratuito. Fui ao curso já meio descrente, mas ainda assim com uma pontinha de esperança. Encantei-me com as técnicas ensinadas e com os mantras, os quais tocaram profundamente meu coração.

Continuei me aprofundando nesta prática de meditação diária ensinada por Sri Chinmoy e já se vão treze anos de estudos práticos dessa meditação que me trouxe não só a satisfação que buscava, mas também a certeza de que quero continuar a praticá-la enquanto vida eu tiver, pois nada antes foi capaz de preencher o vazio que sentia e agora além de me sentir preenchida, sinto que quanto mais me aprofundo, melhores resultados obtenho.

A meditação diária me trouxe novos horizontes, me fez encarar a vida de uma outra maneira, me fez ver um significado maior para a vida que não a mera existência humana. A meditação diária me dá uma alegria sem fim, me faz ver o mundo com outros olhos, faz com que as dificuldades do cotidiano se tornem, não menores, mas mais fáceis de serem superadas. Obstáculos que antes pareciam intransponíveis, se tornam degraus da escada da vida, a qual todos nós temos que galgar para alcançar nossa verdadeira meta que é o encontro da felicidade duradoura.

meditação diáriaNão estou querendo dizer com isso que a meditação diária seja uma prática fácil, longe disso! É uma prática que requer determinação, dedicação e uma grande dose de autodisciplina e comprometimento, mas como tudo o mais se torna tão mais simples e fácil na vida, vale muito o esforço, aliás, depois de alguns anos de prática começamos a ver que o esforço que no começo parecia muito grande, na verdade é bem pequeno, quando comparado aos resultados obtidos.

Como diz Sri Chinmoy “a mais elevada meditação pode ser feita de várias maneiras: pela entrega incondicional à vontade do Mestre, pelo serviço desinteressado ou até cantando com a alma”, mas para se alcançar a mais elevada meditação é preciso paciência, prática e perseverança. É como desenvolver um músculo. Ninguém se torna um grande atleta da noite para o dia. Assim também é com a meditação. A prática tem que ser diária.

“A cada dia há apenas uma

Coisa a aprender: como ser

Honestamente feliz.”

Sri Chinmoy

 

 

JUN/2015 – Curso de meditação gratuito em Niterói

buda meditação


 

“MEDITATION, LIKE AN ANGEL, CAME

TO ENLIGHTEN HIS MIND,

TO LIBERATE HIS HEART,

TO IMMORTALISE HIS LIFE.”

– Sri Chinmoy

 


 

Temos a satisfação de convidá-lo para mais um curso de Meditação em Niterói!

Ele terá aulas inaugurais na UFF, no fim de junho, palestras ministradas por Ashirvad Zaianthick, brasileiro, aluno de Sri Chinmoy há 19 anos, e que há 15, viaja pelo mundo, dando palestras sobre este tema. Ashirvad já esteve algumas vezes em Niterói com este mesmo fim, ou seja, despertar nos corações niteroienses, a alegria que representa este mergulho em nosso próprio self, através da Meditação. Esperamos por você! É só ligar e se inscrever!

Contato e inscrições: 2612-1069


 

“MEDITATION

IS THE LIBERATOR

OF SELF-LIMITATION.”

– Sri Chinmoy

Meditação para os dias difíceis do mundo


jharna kala birdsQuestion: Do you feel that mankind is making spiritual progress?

Sri Chinmoy: Humanity is progressing towards its destined goal. Sometimes we notice clouds of doubt and teeming imperfections, but these things will always be around until we have achieved perfect Perfection. Each individual has left the starting point. Now, one individual may be behind another in the Godward race, but we all are running towards the same goal. Each individual is progressing. This progress may not be noticeable in our outer life. It will become noticeable only when a tremendous amount of light has dawned in our devoted life, our life of surrender to the Will of the Almighty Father. Even though there are calamities, crises, wars and so forth on the outer plane as well as on the inner plane, still we are definitely progressing.


 

COMENTÁRIO:

Em tempos de crise procuramos fugir de várias maneiras. Uma delas é negando que a crise existe –“a vida é bela”. É a síndrome de Poliana que, embora ajude a pessoa a seguir em frente, afasta-a da realidade, não a ensina a amar ao mundo como ele é e, logo, não a ensina sobre o amor verdadeiro. A outra maneira é ‘holofotando’ as dificuldades (a mídia nos “ajuda” muito nisso) e então, cria-se o pessimismo absoluto – “tudo é ruim”- que leva a estados negativos, crescentes nos dias atuais como: depressões, fobias, agressividade etc.

Mas será que só existem saídas extremas para lidar com esses “dias difíceis”? Qual é a saída? O olhar espiritual, o tornar-se espiritual.

Como? O olhar espiritual não nega a realidade, ele a aceita como ela é e o tornar-se espiritual transforma a realidade, pois transforma ao próprio indivíduo.

A meditação é uma porta para esse caminho. A meditação é a ponte que nos conecta com a outra realidade, a interior. Voltando-nos para dentro (sem nos esconder), podemos nos voltar para fora de uma maneira mais desapegada, transformadora. “Assim como o de dentro é o de fora”. O bom e o ruim são aspectos normais de todo ser humano e, consequentemente, também do mundo. Logo, se nos propusermos a ir além disso, buscando a nossa transformação, o mundo também se transformará. Já fazemos tudo isso aleatoriamente, já que o mundo não está estacionado. Mas podemos fazer com Consciência, e essa chave-mestra quem nos dá é a meditação.

Recomendo as músicas aqui para o seu deleite

por Bhumika Barros

 

 

30+ VÍDEOS relacionados à meditação

Felicidade – a maior das revoluções

 texto de Bhumika Barros

 

“Each seeker has two individuals in him: one is the desiring man, the other is the aspiring man.”

– Sri Chinmoy, (srichinmoylibrary)

 

guru-piyasi-lmh-500-400x240

 

“Falar de revolução num site de meditação não é estranho?” – me perguntaram.

“Só aparentemente.” – respondi.

Pois a meditação nos leva à uma viagem incrível ao nosso mundo interior. Sim, existe um mundo dentro de nós e, nesse mundo, vive uma Maria, um João, um Pedro, uma Fernanda, muito diferentes dos Pedros, Marias etc, que somos no mundo exterior.

Tudo bem, é comum criarmos ‘personagens’ para estarmos nos diferentes lugares da vida – trabalho, universidade, grupos de amigos – não dá para sermos os mesmíssimos em todo local.

Mas, eis que com o passar do tempo e, assumindo mais e mais responsabilidades nessa vida exterior, acabamos por acreditar que somos aqueles personagens, esquecendo totalmente dos nossos sonhos e aspirações.

Chega então aquele dia em que uma insatisfação absoluta toma conta de nossa vida, pois, sem perceber, passamos a acreditar que ‘tudo TEM que ser assim mesmo’.

A insatisfação em si não é ruim. Ela existe porque aquele ‘Pedro’, aquela ‘Maria’ etc, que ainda existem dentro de nós, estão tentando gritar: “Ei! Lembre! Não esqueça de quem você verdadeiramente é!”

 

“What is it, after all, that gives to a child his charm and beauty? Is it not the soul’s glow? When that touch gets fainter and is finally lost, he becomes a dull and cautious adult.”

– Sri Chinmoy (srichinmoylibrary)

 

Aí, um dia, ouvimos falar de meditação e, aquele algo dentro de nós nos diz: “É isso! Não sei bem o que é, mas preciso tentar isso!”

 

E, ao nos permitirmos essa nova experiência, constatamos que ela não é tão nova… Encontramos (ou re-encontramos) dentro, nossos sonhos de criança. E quais são eles? O que toda criança quer? Ser FELIZ, PURA, ESPONTÂNEA, ALEGRE, RISONHA, DOCE, BRINCALHONA, CONFIANTE, ENTREGUE, SINCERA, SIMPLES e…uma lista sem fim de boas qualidades!!!

Através da meditação, descobrimos que todas essas qualidades de criança – criança que todos nós fomos – ainda vivem dentro de nós. Descobrimos que a meditação apenas nos leva numa incrível viagem de volta a nós mesmos, à nossa Essência, à nossa Verdade, à nossa Alma Perfeita.

Pergunto então: “Que outra descoberta pode trazer mais Felicidade do que essa? Que outra Felicidade pode ser mais Real, Duradoura e, de fato, Transformadora?

Pronto! Está feita a maior das revoluções!!!

 

“Yesterday I was clever. That is why I wanted to change the world.

Today I am wise. That is why I am changing myself.”

– Sri Chinmoy (srichinmoylibrary)

Meditação e Concentração: o arco e a flecha

textos de Sri Chinmoy, em particular do livro Meditação, da editora Pensamento

 

Sua mente é

A flecha de concentração

Seu coração é

O arco de meditação.

Sua alma é

O alvo de contemplação.

 

– Sri Chinmoy, Ten Thousand Flower-Flames, Part 63, Agni Press, 1983, tradução

 

srichinmoylifts3081lbsO arco e a flecha

A concentração é a flecha. A meditação é o arco.

Ao nos concentrarmos, focalizamos todas as nossas energias em algum assunto ou objeto com a intenção de desvendar os seus mistérios. Quando meditamos, nos erguemos de nossa consciência limitada para uma consciência mais elevada, em que a vastidão do silêncio reina suprema.

A concentração quer dominar o conhecimento que ela busca. A meditação quer se identificar com o conhecimento que ela procura.

A concentração não deixa que a perturbação – o gatuno – entre no seu arsenal. A meditação deixa que ela entre. Para quê? Apenas para pegar o ladrão em flagrante.

A concentração é a comandante que ordena que a consciência dispersa fique atenta.

A concentração e a total persistência não só são guerreiras divinas inseparáveis, mas também interdependentes.

A concentração desafia o inimigo para um duelo e luta contra ele. A meditação, com seu sorriso silencioso, abranda o desafio do inimigo.

A concentração diz para Deus: “Pai, estou indo a ti”. A meditação diz para Deus: “Pai, venha até mim”.

Um aspirante tem duas mestras legítimas: a concentração e a meditação. A concentração é rígida com o aluno. A meditação é rígida às vezes. Mas ambas são enfaticamente interessadas no progresso do estudante.

 

gratidao-alegria-puraO poder da concentração

Concentração significa vigilância e atenção interior. Há ladrões à nossa volta e dentro de nós. Medo, dúvida, preocupação e ansiedade são ladrões interiores que estão tentando roubar o nosso equilíbrio interior e a nossa paz de espírito. Quando aprendemos a nos concentrar, é muito difícil para essas forças entrarem em nós. Se a dúvida entrar na nossa mente, o poder da concentração vai dilacerá-la. Se o medo entrar na nossa mente, o poder da concentração vai expulsá-lo. Hoje, somos vítimas de pensamentos sombrios, obscuros, destrutivos. Todavia, chegará um dia em que, com a força de nossa concentração, os pensamentos perturbadores terão medo de nós.

A concentração é a vontade dinâmica da mente que opera na nossa existência para que aceitemos a luz e rejeitemos a escuridão. É como se fosse uma guerreira divina dentro de nós. O que a concentração pode fazer na nossa vida de aspiração é inimaginável. Ela pode facilmente separar o inferno do Paraíso, para que possamos viver no constante deleite do céu, e não nas preocupações, ansiedades e torturas perpétuas do inferno, enquanto estamos aqui na Terra.

A concentração é a maneira mais segura de alcançar o nosso objetivo, seja ele a compreensão de Deus ou a mera satisfação de nossos desejos mundanos. Um aspirante verdadeiro, mais cedo ou mais tarde, vai obter o poder da concentração, seja pela graça de Deus, pela prática constante ou pela própria aspiração.

 

eumetorneiA vontade indomável da alma

Ao nos concentrarmos, somos como um projétil entrando em algo, ou como um ímã atraindo o objeto de concentração para a nossa direção. Nessa hora, não deixamos que nenhum pensamento entre na nossa mente, seja ele divino ou não-divino, mundano ou celestial, bom ou ruim. Na concentração, a mente inteira precisa estar focalizada num objeto ou assunto específico. Se estivermos nos concentrando na pétala de uma flor, devemos tentar sentir que nada mais existe no mundo, mas apenas a pétala. Não olhamos nem para frente nem para baixo, para cima ou para dentro. Procuramos apenas assimilar o objeto com a nossa concentração unidirecionada. Essa não é uma maneira agressiva de entrar em alguma coisa. Essa concentração vem diretamente da vontade indomável da alma, ou da força de vontade.

Quando quiser praticar a concentração em algum objeto, você deve escolher algo que transmita alegria imediatamente. Se você tiver um Mestre, o retrato dele dará alegria imediata. Se não tem um Mestre, escolha algo que seja muito belo, divino e puro, como uma flor, por exemplo.

Nós nos concentramos com o unidirecionamento da mente iluminadora. Nós meditamos com a vastidão expansiva do coração. Nós contemplamos com a unicidade plena da alma.

 

pink-rose-400x240Concentração a partir do coração

Muitas vezes, ouço aspirantes dizerem que não conseguem se concentrar por mais do que cinco minutos. Depois de cinco minutos, eles ficam com dor de cabeça ou sentem que a própria cabeça está pegando fogo. Por quê? Porque o poder da concentração deles está vindo da mente intelectual ou – podemos dizer – da mente disciplinada. A mente sabe que não deve vagar por aí. Ela tem esse conhecimento. No entanto, se for usada de uma maneira apropriada, iluminada, então a luz da alma terá de ir até ela. Quando a luz da alma entra na mente, é muito fácil se concentrar em alguma coisa por horas. Durante esse período, não haverá pensamentos, dúvidas nem medos. Nenhuma força negativa poderá entrar na mente se ela estiver inundada com a luz da alma.

Ao nos concentrarmos, precisaremos sentir que o nosso poder de concentração está vindo do centro do coração e então subindo até o terceiro olho. O centro do coração está localizado no mesmo lugar em que a alma está. Quando pensarmos na alma nesse momento, é melhor não formar nenhuma idéia específica sobre ela e nem tentar imaginar a forma que ela tem. Apenas pensaremos que ela é uma representante de Deus ou luz e deleite ilimitados. Ao nos concentrarmos, tentaremos sentir que a luz da alma está vindo do coração e passando pelo terceiro olho. Com essa luz, entraremos no objeto da concentração e nos identificaremos com ele. O estágio final da concentração é descobrir a Verdade escondida, última, no objeto que está sendo focalizado.

 

JAC_1178Vislumbrando o infinito: meditação

Quando nos concentramos, focalizamos a nossa atenção em algo especial. Entretanto, ao meditarmos, sentimos que temos uma profunda capacidade de ver, lidar e saudar diversas coisas ao mesmo tempo. Quando meditamos, tentamos nos expandir, como um pássaro que abre as asas. Procuramos expandir a nossa consciência finita e entrar na Consciência Universal, em que não há medo, inveja ou dúvida, mas somente alegria, paz e poder divino.

Meditação significa o nosso crescimento consciente no Infinito. Ao meditarmos, o que fazemos, na verdade, é entrar numa mente vazia, calma, silenciosa e permitir que sejamos alimentados e sustentados pela própria Infinidade. Ao meditarmos, queremos comungar apenas com Deus. Agora estou falando em português e você consegue me entender porque sabe bem português. De modo semelhante, quando sabemos como meditar bem, somos capazes de conversar com Deus, porque a meditação é a linguagem que usamos para falar com ele.

 

sri_chinmoy_playing_esrajUm mar de tranqüilidade

Meditar é como ir ao fundo do oceano, onde tudo é calmo e tranqüilo. Na superfície, pode haver muitas ondas. No entanto, mais abaixo, o mar não é afetado por elas. Em suas profundezas mais profundas, o mar é totalmente silencioso. Quando começamos a meditar, tentamos atingir a nossa própria existência interior, a nossa verdadeira existência – ou seja, o fundo do mar. Então, quando vêm as ondas do mundo exterior, não somos afetados. Medo, dúvida, preocupação e toda a agitação mundana simplesmente irão embora, porque dentro de nós existe uma paz sólida. Os pensamentos não podem nos atormentar, porque a nossa mente é toda paz, toda silêncio, toda unicidade. Assim como peixes no oceano, eles pulam e nadam, mas não deixam marcas. Portanto, ao estarmos no nosso estado meditativo mais elevado, sentimos que estamos no mar, e que os animais marítimos não podem nos afetar. Sentimos que somos o céu, e que os pássaros não podem nos afetar. Nossa mente é o céu e nosso coração é o mar infinito. Isso é meditação.

 

por-do-sol-meditacao.jpgTransformando-se na verdade: contemplação

Por meio da concentração, nos tornamos unidirecionados. Por meio da meditação, expandimos a nossa consciência na Vastidão e entramos na consciência dela. Porém, na contemplação, nós nos transformamos na própria Vastidão, e a consciência dela passa a ser nossa. Na contemplação, estamos ao mesmo tempo na nossa mais profunda concentração e na nossa meditação mais elevada. Nós nos transformamos e nos tornamos totalmente unos com a verdade que vimos e sentimos na meditação. Quando estamos nos concentrando em Deus, talvez o sintamos bem diante de nós ou ao nosso lado. Ao meditarmos, é certo que sentiremos a Infinidade, a Eternidade e a Imortalidade dentro de nós. Entretanto, quando estamos contemplando, vemos a nós mesmos como Deus, que nós mesmos somos a Infinidade, a Eternidade e a Imortalidade.

Contemplação significa a nossa unicidade consciente com o Absoluto infinito, eterno. Na contemplação, o Criador e a criação, o amante e o Amado, o conhecedor e o conhecido tornam-se um. Num certo momento, somos o amante divino e Deus é o Amado Supremo. No instante seguinte, trocamos de papéis. Na contemplação, nós nos tornamos unos com o Criador e vemos o universo inteiro dentro de nós. Nesse momento, ao olharmos para a nossa própria existência, não vemos um ser humano. Vemos algo como um dínamo de luz, paz e felicidade.

A concentração entrega a mensagem da vigilância. A meditação entrega a mensagem da vastidão. A contemplação entrega a mensagem da inseparável unicidade.

 

sri-chinmoy-7000lbs-lift.jpgMeditação versus Contemplação

Se meditarmos numa qualidade divina em especial, como a luz, a paz ou a bem-aventurança, ou se meditarmos de maneira abstrata na Infinidade, na Eternidade ou na Imortalidade, durante todo o tempo sentiremos, dentro de nós, um trem expresso indo para frente. Estamos meditando sobre a paz, a luz ou a felicidade, enquanto o trem expresso está em constante movimento. A nossa mente está calma e tranqüila na vastidão da Infinidade, mas existe um movimento. O trem está indo incessantemente em direção à meta. Estamos tendo a visão de uma meta, e a meditação está nos levando até lá.

Na contemplação não é assim. Nela, sentimos o universo inteiro e a Meta mais distante profundamente dentro de nós mesmos. Ao contemplarmos, sentimos que estamos contendo dentro de nós o universo inteiro, com toda a sua luz, paz, felicidade e verdade infinitas. Não há pensamento, nem forma, nem idéia.

Na contemplação, tudo está imerso no rio da consciência. Na nossa contemplação mais elevada, sentimos que não somos nada, mas apenas a própria consciência; formamos uma unidade com o Absoluto. Todavia, quando estamos no nosso estado meditativo mais elevado, existe um movimento dinâmico acontecendo na nossa consciência. Percebemos totalmente o que está ocorrendo tanto no mundo interior como no exterior, mas não somos afetados. Na contemplação também não somos afetados pelo que acontece no mundo interior e no exterior, mas toda a nossa existência transforma-se em parte do universo, que estamos mantendo profundamente em nós mesmos.

 

Curiosidade ou aspiração?

Liliya

Agora ele corre rápido

Ele começou sua jornada interior

Sem amor,

Sem devoção

E sem entrega – apenas por pura curiosidade.

Mas agora, anos depois

Ele corre rápido

Por sua estrada interior

De amor, devoção e entrega.

– Sri Chinmoy, Ten Thousand Flower-Flames, Part 93, Agni Press, 1983

 

Temos apenas de começar

Temos apenas de começar nossa jornada interior.

Mesmo aqueles que começam

Por curiosidade

Podem um dia se tornar grandes buscadores.

– Sri Chinmoy, Ten Thousand Flower-Flames, Part 80, Agni Press, 1983

 

Eu estava lendo um livro sobre o Dalai Lama e fiquei pensando se eu tinha alguma conexão com o Tibete.

Sri Chinmoy: Por que você quer conhecer o passado? O passado já foi. Você realizou Deus nas suas encarnações interiores? A sua meta é a realização-Deus! Se o passado não lhe permitiu realizar Deus, então para que serve? A curiosidade tola é inútil. Por vezes começamos com curiosidade, e então entramos para a verdadeira espiritualidade. Então aparece uma das duas coisas: frustração, que é destruição; ou flores-esperança, que se tornam belas, mais belas, belíssimas. Por fim enxergamos a realidade, e então temos verdadeira satisfação.

Sri Chinmoy, Sri Chinmoy answers, part 8, Agni Press, 1997

 

(…) Eu sou um daqueles que não valoriza os milagres, pois muitas vezes eles simplesmente alimentam a curiosidade, e há um abismo enorme entre a curiosidade e a aspiração. Mas, ainda assim, alguns Mestres pensam que é recomendável que um indivíduo comece sua jornada espiritual, mesmo se tiver de começar com curiosidade. Por fim, a mesma pessoa adentrará o mundo de verdadeira aspiração.  (…)

Sri Chinmoy, India And Her Miracle-Feast: Come and Enjoy Yourself. Part 1, Agni Press, 1977

 

O fim da sua jornada interior

A curiosidade o tinha levado para ver

Quão ruim o Mestre era.

Ora, muitos anos se passaram

E ele ainda está sentado

Aos pés do Mestre.

A curiosidade vazia foi o começo

Da sua jornada interior.

A unicidade iluminadora será o fim

Da sua jornada interior.

 – Sri Chinmoy, Ten Thousand Flower-Flames, Part 80, Agni Press, 1983

 

 

SEM O HOMEM E SEM DEUS

pink-rose-400x240traduzido por Bhumika Barros

Eu posso fazer alguma coisa sem o homem? Sim, eu posso. Sem o homem eu posso fazer muitas, muitas coisas, se não cada e todas as coisas. Se eu orar a Deus para me dar a capacidade de fazer tudo sem a ajuda da humanidade, estou certo que Ele me dará essa dádiva.

Sem o homem eu faço tantas coisas, precisamente porque o meu Pai Todo-poderoso, o meu Amado Supremo, me deu a capacidade. Eu olho para o meu irmão magnífico, o sol, sem o homem. Eu olho para a minha linda irmã, a lua, sem o homem. Eu olho para as minhas doces crianças, as estrelas, sem o homem. Eu olho para o meu Pai, Deus, e minha Mãe, Deus, sem o homem.

Mas eu posso fazer alguma coisa sem Deus? Não, impossível! Por quê? Eu não posso fazer nada sem Deus porque eu não posso viver sem Ele. Como é isso de eu não poder viver sem Deus? É porque Ele é todo Amabilidade, todo Amor? Não, não! É porque Ele é todo Cuidado, todo Compaixão? Não, não! É porque Ele está em todo lugar? Não, não! É porque Ele é a minha essência e substância? Não, não!

Então, por que isso, de eu não poder viver sem Deus? Eu não posso viver sem Deus precisamente porque eu não posso viver sem aquilo que eu sou. Você pode viver sem o que você é? Impossível! Se você é um com Deus, então você O tem dentro de si, como um cervo tem o almíscar. O cervo e o almíscar são inseparáveis. Quando a flor tem perfume, a flor e a fragrância são inseparáveis. Similarmente, Deus, a Beleza, que está dentro de mim e Deus, o Possuidor da Beleza, são inseparáveis. Portanto, eu não posso viver sem Deus, pois Ele é o que eu sou e o que eu tenho. Você também não pode viver sem o que você tem e o que você é. O que você tem e o que você é irão ser sempre a mesma Existência-Realidade: Deus. Logo, você e eu não podemos viver sem Deus, muito menos fazer qualquer coisa sem Ele.

Sri Chinmoy

(do livro: Everest-Aspiration)